29 de novembro de 2016

A 'trabalhar' para o Natal

Consegui regressar aqui ainda antes de fazer 1 mês desde a ultima vez e espero que futuramente encontre mais tempo para me sentar aqui e escrever. Como já devem de saber ando mais activa no instagram e lá até tenho publicado sobre temas que se afastam do que publico aqui no blog.
Ora venho aqui mostrar o que já entrou e saiu das agulhas neste quase 1 mês de ausência por aqui ;o)

Meias em lã mais grossa, feitas com as sobras dos bonecos que tenho tricotado, de lã de alpaca ou lã ovelha, ou de mistura das duas. E garanto são muito confortáveis de vestir.

Com FishLips Kiss Heel nos dedos e calcanhar



Dediquei-me a um trabalho antigo que já quis que fosse muita coisa mas que se transformou num calendário de 1 a 25 de dezembro. Adicionei-lhes  números em feltro, botões para pendurar o sino em tricot que irá tocar todos os dias que passam, e colei os bonecos/flores/folhas/cogumelos que tricotei no ano passado que retratam a minha família. Tricotei mais alguns adereços e por incrivel ainda está em execução pois queria adicionar 'Feliz' em cima e 'Natal' em baixo mas ainda não me dediquei a isso...




Inicialmente apliquei o calendário a uma esponja mais grossa mas não fiquei 100% satisfeita e depois apliquei a uma almofada mais fina e aí fiquei mesmo satisfeita ;o)

Iniciei 3 pares de meias (um deles é resultado de um desmancho que fiz numa meia que mostrei no post anterior a este) Todos estes modelos são super fáceis de executar e pela alternância de carreiras em canelado (no caso das duas ultimas) ou da utilização do ponto liga para 'vincar' formas conseguem-se efeitos muito bonitos.

As Minecraft Socks (uma meia já está)

As Syncopation Socks ( uma meia já virou o calcanhar)


As Envy Socks (quase a chegar ao calcanhar)



Terminei as minhas meias Crystals, combs and Cables, e depois de ter perdido algum tempo a adicionar as missangas decidi não fazê-lo, as missangas que tinha era muito pequenas e só com uma linha de costura consegui colocar nas malhas mas demorava demasiado tempo que perdi a vontade de o fazer... Adoro estas meias de paixão !
Estes são os bloqueadores de meias que fiz, são feitos em cartão forte colado com cola quente a outro cartão e depois vesti uma meias collant que nunca me serviram, atei com uma argola feita de uma tira circular da meia collant e assim não tenho que andar num veste e despe de meias para vos mostrar ;o)

Neste últimos dois dias tenho avançado um xaile com barras horizontais alternadas de liga e meia e tiras de ponto inglês: o Criss Cross Scarf. Como resultado do meu afastamento deste xaile perdi umas valentes horas a tentar reaprender o pontos inglês que com este trabalho aprendi e agora estou a todo o vapor... acho que nem tão cedo me esqueço deste ponto.

Entretanto fiz um sofá para alguns bonecos de uma caixa forrada com um bocado de uma camisola velha já que andei a cortar malhas antigas para fazer um presépio cá para casa.

Algo que fiz que não tricotei a propósito foi um presépio para a nossa casa, a casinha são duas caixas estreitas em pé tudo forrado com papel kraft. Cobertura em malha grossa e tiras em malha feltrada de uma camisola de bebé que encolheu...
Virgem Maria, são José e Menino Jesus e Reis Magos feitos com rolos de papel higiénico, decorados com feltro e lã.
Vaca/boi e burro feitos com caixas de ovos e forrados com tecido/enchimento de peluches velhos
Mostro-vos algumas imagens de como ficou e de como era mais no princípio da execução ;o)





Ainda pretendo fazer mais um ou dois pares de meias, a ver como correm os próximos dias ;o)
Até breve !





7 de novembro de 2016

Dentro e fora das agulhas



circle socks
Crystals, Combs and Cables socks

uma variação das zigzags

Zigzags socks

Criss Cross Scarf no inicio

Criss Cross Scarf mais ou menos onde está agora
Não se passou assim tanto tempo desde o último post, no entanto já fiz um novo para de luvas com restos de uns novelos que tinha usado em outros projectos. Terminei as meias Zigzags para o meu pai, iniciei um outro par também para oferecer e tenho ainda em mãos umas meias para mim, as Crystals, Combs and Cables Socks às quais conto adicionar tal como as instruções pedem, missangas nos cós ;o) Estas estão bem adiantadas. Iniciei-as em alturas diferentes com receio de a lã que estou a usar terminasse. Quando a segunda chegar aonde tenho a primeira depois vou fazendo as duas quase ao mesmo tempo para rentabilizar ao máximo o que me sobra desse fio já que este é um fio descontinuado pela DROPS.

Já ando de roda de uns gorros tal como fiz o ano passado mas seguindo as mesma instruções e agulhas resultou num tamanho gigante que serve-me perfeitamente, quando eu estava a fazer o tamanho de criança ;o) pelos vistos estava bastante relaxada quando o fiz já que a qualidade do fio é o mesmo que usei nos primeiros gorros. Já ando em modo 'Natal' mas sinto que não vou poder acompanhar a minha vontade já que os dias passam e o que eu tenho em mente pode não resultar...
Tenho um xaile começado em lã mais grossa que resultou de um desmancho mas já à muito que não lhe pego... espero ultrapassar isso ;o)

Boa semana para voçês ;o)

19 de outubro de 2016

1 Mês depois

volto às origens. Ao blog. Tem sido tão difícil da minha parte sentar-me para escrever aqui e pior, tem sido difícil de eu concretizar planos que tinha em mente para este blog, sobretudo a forma como eu sempre quis conduzi-lo. Depois filho mais velho doente, eu também, ainda que com menos cuidados... Entre as minhas ideias pars o blog era mostrar-vos como começar 2 tipos de xailes, um meio enviezado e o outro do género da Peipponen Shawl que fiz. O 1º tipo estou a usar no Criss Cross Scarf e estou a adorar, não é nada de complicado mais complicado é manter a ordem e o nr de carreiras respeitantes  ao padrão de riscas em liga e as barras em ponto inglês.Um dia ainda experimentarei fazer um ponto simples com a mesma estrutura para ver como resulta. Entretanto quando tenho duas meias começadas decidi experimentar fazer umas luvas sem dedos, as Mitaines Rainbow, apesar de ter começado de forma diferente, sem a montagem provisória para fazer com que no fim dos dedos com o remates das malhas estas se enrolem e a parte da montagem das malhas seja usada para montar a palma da mão.
Este post já foi começado à alguns dias e hoje espero conseguir termina-lo 😀. Ontem de noite rematei as uniões dos dedos e as pontas da montagem das malhas, não estão perfeitas mas gostei da experiência e acho que vou repetir a experiência com algumas alterações. Hoje consegui terminar uma das meias que tenho começadas, agora só falta a outra para completar o par, que será oferecido ao meu pai. Espero não ficar tanto tempo sem aqui publicar e já sabem que me podem encontrar mais facilmente pelo Instagram http://instagram.com/uma.pausa.para.tricotar
Até breve 😋





20 de setembro de 2016

Ausente

mas com as agulhas ocupadas. E quando vejo o meu ultimo post reparo que já muito fiz e acabei entretanto, tudo por culpa da conta de 'instagram' quer criei para o blog. Para poderem aceder basta clicarem nas imagens que estão a passar na lateral do blog e acedem através do snapwidget ou então acedem ao meu perfil de instagram pelo link que lá coloco @uma.pausa.para.tricotar. 

Depois de terminar o xaile Peipponen terminei umas meias que tinha começado com a mesma lã do xaile e resolvi juntar ao xaile para oferecer à minha irmã. Depois andei ocupada a terminar as minhas Circle socks mas comecei e terminei um novo xaile Peipponen mas em versão mais reduzida já que a lã que tinha era em menor quantidade. Só depois de terminar esse xaile é que terminei as circle socks. Depois iniciei as minhas primeiras meias com pontos abertos - as Crystals, Combs and Cables socks - que junta também aplicação de missangas e torcidos. As missangas são aplicadas no topo onde não magoem ao usar, mas ainda estou a ponderar aplicá-las. 
Estou numa fase de gastar as lãs que comprei em alguma quantidade para fazer uma manta de crochet que entretanto mudei de ideias em fazer, e fazer meias é algo que eu já tenho uma ideia do que possa gastar de lã.

Para dar um fim à lã que sobrou do xaile e meias que fiz para a minha irmã, bem como da lã que sobrou da minha Estuary Scarf, comecei outro par de meias com ponto texturado em zigzag - as Zigzags socks- projecto que ainda nem adicionei à minha conta no Ravelry. Para finalizar, ontem dei inicio a uma xaile em que estou a usar uma lã de um outro xaile que desmanchei e que nunca tinha mencionado por aqui, a Eyeblink Shawl. Desmachei-a porque era um xaile demasiado grande, mesmo com forma 'crescente' sem ser triangular, ao dar a volta ao pescoço as pontas ficavam abaixo da minha cintura e eu não usava por ser muito grande. de qualquer forma comecei este xale sem pensar em ser para mim... Avizinha-se o Natal pode ser que alguem receba ele no sapatinho ;o). Ah, as instruções são Blue Moon Crescent, da Kate Ward e são gratuitas. Um dia faço um para mim mas com uma lã especial.





N



 

5 de setembro de 2016

Peipponen Shawl terminada

Ora bem, venho partilhar o fim desta peça em tricot, gsotei bastante do efeito final mas ali pelo meio aquando da transição do 1º esquema (zigzag) não gostava da forma que ficava com a adição do esquema do meio, com mais abertos, perdia-se a simetria já que o zigzag é composto por um determinado número de malhas a repetir e o interessante seria o 2º esquema seguir de certa forma algumas linhas que se formaram, mas não o esquema seguia um número diferentes de malhas a repetir, então numas zonas consegue-se um efeito de coração noutras o efeito de coisa nenhuma mas depois de tudo esticado e de na mesma isso se notar bastante o meus olhos seguem o conjunto num todo e nem tanto zonas em detalhe. O importante é a minha mana gostar, até hoje só ganhou um xaile em crochet, este será o primeiro em tricot que lhe ofereço ;o) E vai ganhar umas meias junto com xaile ;o) que estão quase terminadas.






26 de agosto de 2016

Para oferecer

à minha mana que faz anos brevemente comecei a Peipponen Shawl, design de Heidi Alander, a mesma autora da Titanium Shawl que fiz no passado. Até agora tem sido o trabalho perfeito depois da Estuary Scarf que fiz, bem mais leve em concentração e muito mais rápida de executar ;o)

Entretanto adoptei uma nova forma de seguir instruções para tricotar. Adquiri um tablet de 7 polegadas, o tamanho perfeito para transportar comigo para qualquer canto da casa, o brilho do ecrã facilita a leitura e no visualizador do Acrobat posso aumentar, escrever, desenhar, sublinhar, rasurar como quiser e manter assim até quando quiser, no fim tenho o ficheiro com ou sem apontamentos. Começava a 'stressar' com a impressão de folhas, o testar instruções e depois não gostar e ficar com ainda mais folhas de rascunho. Os tinteiros gastam-se a uma velocidade vertiginosa e são muito caros... E depois tenho a vantagem de centralizar as publicações por aqui em vez de andar com (tantas) transferências bluetooth com o telemóvel ou máquina fotográfica.


19 de agosto de 2016

A (minha) Estuary Scarf

Concluída antes do meu dia e bloqueada na véspera dele, olho para ela e nela vejo um desafio que consegui ultrapassar, sobretudo um desafio à minha atenção e sobretudo paciência, pois neste trabalho ela foi bastante testada: desde laçadas que se entrelaçam em outras malhas e nos fazem no avesso da peça a tricota-las juntas ou simplesmente cairem sem me dar conta. O maior desmancho ocorreu no primeiro 'quase fim' da peça, onde me vi 'obrigada' a desmanchar umas 80 carreiras porque uma das repetições que tricotei fazia com que as ondas mais pequenas não ondulassem consecutivamente... Encontrar-me não foi difícil mas depois emperrei num erro que me estava a desanimar e para desanuviar, comecei e terminei um casaco (ver post anterior a este) sem sequer tocar neste trabalho. Voltei mais animada e pronta para terminar as repetições finais que confundem já que fazem-nos trabalhar com numerações diferentes numa mesma carreira.
Bloquear a peça também não foi 'pêra doce'. Já vi alguns bloqueios dessa peça pelo Ravelry e não gostei, alteravam toda a estrutura da peça e depois tive conhecimento de um bloqueio através de arames flexiveis presos com os alfinetes para manter as curvaturas mas para este trabalho para além de não ter o material necessário queria manter as ondas do bordo e com muito põe e tira de alfinetes, praticamente não estiquei em comprimento, abri mais em largura porque era isso que iria mostrar o desenho. Com a ajuda de um tapete de ginástica, bem mais prático que os módulos de espuma já que posso 'levar' a peça bloqueada para onde quiser durante a secagem e por mim falo já que a minha casa não tem quartos de sobra nem muito menos espaço de sobra e na rua estava fora de questão, não fosse a gata Pituxa achar piada à minha oferta de 'mim para mim' ;o)
Seguem-se as fotos, as que foram possíveis de tirar:













12 de agosto de 2016

Para desanuviar ;o)

Fiz um casaco para o meu filho mais novo, utilizando restos de lãs que usei para os últimos bonecos/roupas em lã que fiz. Tinha 1 novelo inteiro (cada tem 50g, da Lã Drops Karisma)e metade de outro em branco e tinha as restantes cores já utilizadas para fazer os bonecos e utilizando uma agulha acima e baseando-me neste casaco apenas no ponto da transição de cores alterei o número de malhas a montar, fiz logo a gola e bordo por inteiro sem ter que levantar malhas, baseei-me num decote raglan sem ser o Kfb (knit front and back), fiz aumentos M1l e M1r e no meio deles um slip stitch que era tricotado em liga no avesso. Andei apaixonada pelo avesso achava-o bastante bonito e perfeito mas uma vez começado como fiz decidi manter assim. Optei por colocar um fecho corrido, neste casaco não ficava bem um ou três botões, como a malha é bem mais aberta deforma-se muito e além do mais como não fiz casas e fiz as duas laterais com a mesma medida (fiz tudo em costuras em top down) fazer uma argola para passar por um botão iria ainda esticar e deformar mais o casaco. Coloquei mãos na tesoura, num casaco já muito gasto pelos anos e a lã branca foi à justa, quase tive uma coisa má quando vi que não dava para a última barra da última manga mas depois de 'chorar' um bocado vi uma pontinha de lã a sair do saco que estava a usar e vi lá um mini novelo e deu para terminar, no entanto até antes das últimas 3 malhas da risca branca, a lã não chegava e lembrei-me que tinha uma ponta com uns 20 cm que sobrara das roupas dos bonecos e deu para terminar a risca e continuar as restantes ;o) O filhote acompanhou o crescimento da peça e adorava experimentar bem como ouvir elogios de que estava lindo, até abria os braços para entrar as mangas, um fofo ;o)

O Estuary Shawl passou por uma crise logo nas ultimas carreiras quando vi a sucessão dos 2padrões do esquema não era coeso, fiz bem as repetições de um mas do outro não... desmanchei umas 80 carreiras em lace sem linha de salvação... salvei-me na mesma e já retomei a tarefa de continuar oque tinha feito com tanto afinco. Espero que o termine a tempo do meu dia ;o)